Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos. A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Análises Alimentares no Ciclo de Vida das Empresas


28-03-2019

Decorreu, no dia 28 de março, nas instalações do Centro de Apoio Tecnológico Agro Alimentar – CATAA, um encontro que pretendeu explorar as “Análises Alimentares no Ciclo de Vida das Empresas”. Esta ação, que contou com a presença de mais de 35 participantes em representação de empresas da Região Centro, resultou de uma iniciativa conjunta da AEMITEQ (Associação para a Inovação Tecnológica e Qualidade), da CATAA, da InovCluster (Associação do Cluster Agroindustrial do Centro) e da Câmara Municipal de Castelo Branco. Pretendeu reunir entidades diversas para apresentar o trabalho desenvolvido no âmbito do projeto FAsT – Fast Fat Analisys – Valorização da Tecnologia Microwave Assisted Extraction.

O projeto, que visa a valorização económica do setor agroalimentar, através da promoção de interação e transferência de conhecimento, pretende desenvolver a promoção nacional e internacional, criar ações de demonstração de desenvolvimento tecnológico, bem como análise às necessidades do setor agroalimentar, não só no processo de rotulagem nutricional, como também no processo de controlo de qualidade.

Na sessão debateram-se temas relacionados com as análises alimentares e o impacto que estas têm no ciclo de vida das empresas, tendo sido apresentados os resultados obtidos e principais conclusões retiradas do projeto FAsT.

Com um painel de oradores que enriqueceu a ação e levantou questões de relevância para o setor agroalimentar destacam-se Daniela Conceição da INTERPEV, João Amaral da Associação de Artesãos da Serra da Estrela e Região Centro, Fábio Reis da PRISCA Alimentação SA e Susana Caio e Sara Martins do InovCluster / CATAA.

A sessão levantou temas de extrema importância para o setor como os Desafios da Segurança Alimentar, Importância do Rótulo para a Competitividade e Requisitos de Rotulagem para a Exportação, abordando alguns casos de sucesso.

Foram ainda reveladas as 10 Tendências Alimentares para 2019, produzidas a partir da análise de bases de dados internacionais que permitiu identificar as tendências “Sustentabilidade”, tanto nos produtos como nas embalagens, “Artificial é o Inimigo Público N.º 1”, a procura por produtos naturais e biológicos – “Procura Mais Verde”, as “Novas Alternativas” a produtos alimentares como o sal, o chocolate e até mesmo o peixe, os pratos “Sem Sacrifícios”, uma tendência em crescimento, e a “Longevidade com Qualidade”, relacionada com o aumento da esperança média de vida. Por fim, foram apresentadas tendências como a “Aventura Sensorial”, que visa proporcionar experiências de misturas de sabores e design, a “Hora de Petiscar”, que proporciona ao consumidor snacks leves e nutritivos, a tendência “Pronta, Mas Premium”, que proporciona refeições rápidas e saudáveis, e a tendência “Diversidade na Distribuição”.

A sessão terminou com um debate moderado pelo CATAA ao que se seguiu um momento de networking dinamizado por todos os intervenientes num coffee break.

Um grupo de participantes manifestou vontade em visitar as instalações do CATAA. A visita foi feita aos Laboratórios de Análise Sensorial, Microbiologia, Físico-Química e às Unidades Piloto tendo sido evidenciada a capacidade instalada no CATAA para apoiar os empresários do Setor Agroalimentar.

As sessões de abertura e encerramento contaram com a presença de Horácio Pina Prata, Presidente da Direção AEMITEQ e António Moitinho Rodrigues, Diretor Científico dos Laboratórios CATAA.